foto VACINACAO COVID REUTERSRicardo Moraes.jpg

A partir desta 4ª feira (15) os pacientes que procurarem atendimento de consultas e cirurgias espirituais no IMA – Instituto de Medicina do Além, em Franca (SP), deverão apresentar comprovantes de vacinação contra a Covid-19. Embora as legislações municipal, estadual e federal não façam esta exigência, os dirigentes deste centro, que nas últimas décadas atendeu a mais de 7 milhões de pessoas, tomaram esta decisão por oferecer maior  segurança para as milhares de pessoas que acorrem às quartas-feiras e aos sábados ao IMA em busca de atendimento e os remédios fitoterápicos produzidos pela indústria farmacêutica da instituição que são distribuídos gratuitamente.

Hospital da Caridade

 Com o apoio da Câmara Municipal, dirigentes do Hospital da Caridade Dr. Ismael Alonso y Alonso lutam para conseguir que a Prefeitura de Franca regularize o zoneamento urbano da região onde está o complexo do IMA e consiga alvará de funcionamento da Secretaria da Saúde. O hospital foi construído sem contar com qualquer tipo de recurso advindo dos poderes públicos. Recebeu, no ano passado, através de convênio com a Prefeitura e aprovado pela Câmara Municipal, R$ 2,4 milhão para funcionar como Hospital de Campanha.

Como aluguel do prédio (60 leitos e disponibilidade de outros 60 leitos), recebeu R$ 200 mil (também aprovados pela Câmara Municipal), que ensejaram denúncia ao MPF. Como Hospital de Campanha atendeu 230 pacientes com sintomas de Covid-19 registrando apenas 2 óbitos. O Hospital da Caridade possui também completa estrutura física agora inativa, incluindo piscinas, para fisioterapia tendo atendido gratuitamente, antes do período da pandemia, cerca de 700 pacientes por semana.

Este ano, a Prefeitura destinou R$ 2 milhões para transformar a estrutura do AME – Ambulatório de Especialidades de Franca, inaugurado em 2011 com investimento do Governo do Estado de R$ 7 milhões e custeio anual de R$ 12 milhões, em Hospital de Campanha. De fevereiro a agosto foram atendidos 260 pacientes (76 óbitos). Neste período deixaram de ser feitas 37.530 consultas médicas em 21 especialidades, 19.578 consultas não médicas, 86.322 exames e 3.888 cirurgias.